17 janeiro 2013

não tem segredo

Coisas pequenas que a gente nao possui mais nem consigo mesmo. O tal do infinito particular que não precisa ser infinito. Pode ser uma singeleza que se guarda só pra si. Acabou.

Hoje é tudo super exposto. Não acho ruim, gosto dessas constatações das pequenas coisas que se divide via twitter, dos humores variados que se compartilha no Facebook. Não acho ruim pois a gente só expõe o que tem vontade e quer.
Tem sido muito.

Mas esse ano o exercício meu, íntimo, será de reencontrar essas coisas que a gente guarda como se fosse em caixa de memórias ou em folha de caderno. Coisas especiais.

O meu guardado será imaterial e devo estabelecer um prazo pra sua validade: o fim desse ano. Chegando ao fim do ano, onde essas coisas não serão mais guardadas em caixa pois terão sido reveladas, eu renovo o estoque no ano seguinte.
Da série: metas reais para o ano.

Pedro. x