15 abril 2012

ninguém acredita

por um lado
- Tudo dói.

a brevidade das coisas. a falta de certezas e minha inseguranças com qualquer que seja o trânsito dessa relação. a saudade de casa e as dúvidas que me acordam todo dia como Drew Barrymore acorda em 50 first dates: todas. dói dos dias ausentes, da cidade pequena, das chateações cotidianas.

por outro lado
- Desencana meu amor, tudo teu é muita dor. Vive!

vive de busca. desencana de tudo o que foi antes e volta a amar. deixa de doer quando aparece um sorriso bom, alguém me chama pra sair. do livro que eu ganhei do Senador Kwak com 7 doses antimonotonia. acontece uma viagem, nada se desvaloriza e eu me lembro das certezas. a casa está arrumada, o Rio de Janeiro está próximo e 2013 tem 13 que é um número bem cabalístico. estou feliz, há amor, há futuro, há copos descartáveis que eu pude doar pra festa de Laís e Luigi. Tá tudo aí. E há mais motivos pra seguir daqui do que pela dor. ser feliz ou não ainda é questão de talento.

Pedro.
x