28 outubro 2011

I know it feels to be part of you

para ler ouvindo: Guitara y vos (Jorge Drexler)

Se tem uma compahia que eu gosto é a dele. Sabe? De gostar mesmo? Não consigo desaprender a ficar sem. Nem quero. Fico bobo perto.

São Paulo nos dias de hoje se resume a família. Aquela mesma. Mas as coisas mudaram. Minha avó se foi, meu pai está mudado, mas eu sei que ele fica feliz quando estou em casa, num botox que a vida colocou e o deixa quase sempre sem expressão, mas eu sei. Com minha mãe, minha irmã, (mais distante) Tia Lu, forma-se o núcleo mais próximo de mim.

Paah está na minha lista de família faz algum tempo. O leitmotiv de muitos retornos a casa. Ele mudou também. É a pessoa com quem mais convivo, que mais projeto (ele e minha irmã).

Falo muito com Marina sobre o ser de Capricórnio. Numa dessas conversas, expliquei a ela sobre características que são mais diferentes em relação a mim e que desde um tempo ela já vinha me apontado. E em troca, vejo coisas que me dizem mais respeito e que são imutáveis que eu sei. Essas que me fazem querer ter planos a qualquer prazo.
Come rain or come shine.

E a partir daí vem a minha completa falta de capacidade de fazer qualquer coisa que, de alguma forma, vá me afastar dessas qualidades. Muito pelo contrário, o esforço é para reforçar isso tudo.

Pedro.
x