22 setembro 2011

não vou dizer que tudo é banalidade

II - das tentativas

tem dias que consigo escrever um dia antes o texto de amanhã. Nada de previsões. É um dia em que tenho muito mais a dizer sobre coisas em geral do que o dia seguinte ou um outro dia adiante. Daí chegam 2 ou 3 textos.
Em compensação, há dias que tenho que esperar ele acabar pra ver no que vai dar. Ou ainda esperar digerir o que passou pra poder escrever.

Isso dito, tem textos de hoje que são reflexos de dias do ano passado ou retrasado. Isso deve configurar algum retardo emocional dos momentos de uma alegria inexplicável ou um tipo de mágoa muito forte de dias que ainda não consegui engolir alguma tristeza ou raiva que passou.

Qualquer que seja a opção, tento não ficar muito pra trás comigo mesmo. Por que cada dia é um dia novo e esse blog não é de nenhuma instituição pública pra demorar tanto ou ter tanta burocracia.

Entre escrever pros dias vazios que vem e reescrever os dias com ápices de emoção, ficam as tentativas de me manter num mundo... Presente.

Pedro.
x