21 setembro 2011

não leve o personagem pra cama

Assunto a gente tem. Argumento também. É incrível como num momento de maior descontração a aptidão para o ofício também se revela. É só tirar a carcaça dos jogos e pensar no trabalho que cada um vai se assumindo:

Meu passatempo é fazer projeções das pessoas conforme elas vão se mostrando.

Falta aprender a mentir. Não tem como saber dos trâmites quando se está iniciando. Os planos são muito pueris, são sonhos. A grana sempre estará presente. É o que pressiona e impulsiona a cultura de massa. Só se fala em estética a partir do capitalismo.

Respiramos aspirações a...?
Antes dela sair, ainda pelo impulso de ontem, pseudo me engajei em outro projeto dela, com ela. Mas antes da marca de batom na bochecha sair, já veio a casa, a grana, a volta, a mudança. Tudo ainda pairando de um modo que não consegui me concentrar em um nome.

Cachaça aprofunda mais que cerveja. Também deve ter mais de Brasil aí.

Pedro.
x