16 agosto 2011

por ser de lá

para ler ouvindo: Não existe amor em SP (Criolo)


São Paulo da vazão a todos os meus dias tristes, a toda minha noite. Por isso não me estranho, meu tempo é hoje. É quando os dias são frios e distantes. Mesmo feliz é triste que não haja sol.

Rio das Ostras é mais opressivo, uma diitadura. Por isso estranho que eu consiga ter sentimentos normais como saudade, insegurança, tristeza por estar distante em um amiente sempre acolhedor, sempre de sol quente e noites frescas, as praias impecavelmente limpas e delirantes, essas casinhas, essas cores.
E principalmente, o tempo. Aqui o tempo não tem fim.

Como eu vou me sentir a vontade para ter esses sentimentos num lugar tão compulsivamente oposto?
Quem ousaria?

- "Só vindo de lá, meirrsxmo."

E nessas horas eu sou um paulistano.
Eu sinto e vou sentir, "meszmo".



foto "É todo um procedimento" - Marina Soares
 
Pedro.
x