25 junho 2011

esse papo

Manifesto do Movimento Qualquer Coisa

I
nada de novo sob a sol. mas sob o sol.

II
evitar qualquer coisa que não seja qualquer coisa.

III
cantar muito

IV
soltar os demônios contra o sexo dos anjos

V
a subliteratura. a subliteratura e a superliteratura. e até mesmo a literatura.

VI
por que não.

VII
jazz carioca. samba paulista. rock baiano. baião mineiro.

VIII
jazz carioca feito por mineiros. samba paulista feito por baianos. baião mineiro feito por cariocas. rock baiano feito por paulistas.

IX
e até mesmo a música, por que não.

X
mas sob o sol.

XI
a década e a eternidade, o século e o momento, o minuto e a história.

XII
exemplos: a obra de jorge mautner. a pessoa de donato, o papo de gil, o significante em maria bethânia. o significado em elis regina. baiano e os novos caetanos etc.

XIII
fama e cama. sempre de novo deitar e criar.

XIV
salvador dali no fantástico.

XV
o show da vida.

XVI
bob dylan live.

XVII
qualquer coisa é radicalmente contra os radicalismos e, paradoxalmente, considera ridículo tal paradoxo, ridiculamente não vê nenhum paradoxo nisso. decididamente a favor do advérbio de modo.

XVIII
a televisão está melhor do que o carnaval. insistir no carnaval.

XIX
e de novo sob o sol. e sempre


- Caetano Veloso, 1975

Pedro.
x