31 outubro 2010

don't you do me any favors

Outubro chega ao fim e junto dele o acumulo de todas as feridas a que me expus durante o mês. Parece que todos os sentimentos de confusão conseguem me atravessar enquanto o sinal fecha e eu espero abrir e ao chegar do outro lado da rua já estou tomado por mais uma contradição, uma expectativa, uma decepção.

Coisas que eu criei na minha cabeça e não fazem sentido algum no mundo real e eu saberia disso normalmente em qualquer tempo e circunstância. Mas não em Outubro. Não com essas bactérias impregnadas em cada pensamento meu. Cada vez que eu penso que estou perdendo a importância, que não faço falta, que estão se esquecendo de mim.

Então eu erro.
Conscientemente.

Erro por querer insistir em viver esse grande drama inexistente. Mas se o pensamento me trai e é mais forte que eu (como sempre foi), eu vivo o drama. E erro por apostar nas consequências dele que só eu vivo.

Hoje é sexta feira (ainda?) e eu não fiz nada além de agir, falar e provocar. Como se tivesse que mostrar o tipo de caos que eu dramatizo em contexto real. Mas a vida real é uma vadia bem mais densa do que minhas soap operas.

Resta engolir o gosto amargo do real na hora que ele vem e torcer pra - se não morrer - poder crescer com ele. Talvez mais forte.

Pedro.
x