30 abril 2010

nem triste nem poeta

Sempre se tenta fazer o melhor.
"Eu fiz o meu melhor", pensei. Como se fosse muito fácil não deixar algum rastro de dúvida sobre a própria afirmação.

Com o tempo a gente começa a ver erros que não existem. E apontar pra eles e julgá-los é triste. Mesmo sob a capa de um "tentativa de te proteger" ou de tentar me moldar pra um jeito melhor pra você, não é mais justo ser tudo eu. Não tudo.

Isso tem me enfraquecido e me desencorajado a ficar perto de você. Nem por rancor mas pelo desgaste que causa, pela indiferença da minha presença. Pelo fato de eu ter todas as outras pessoas com meia dúzia de palavras e não conseguir sua atenção, só ciúme. Por culpa de quem? Minha, claro.

Tá certo que nunca foi fácil. Nunca fomos. Mas não era impossível. Era estimulante ao menos compartilhar barulhos, tentativas, risos, riscos e até mesmo os ciúmes. No entanto, está demasiado.

Vai passar, tenho certeza. Espero que em breve pra podermos continuar todos os esquemas do nosso jeito inicial, aquele bom. Ou, se não for o caso, insistir na amizade.

Tomorrow vai ser bacana.

Pedro.
x

05 abril 2010