25 setembro 2008

quando você menos espera, ele chega

Drop Down Diary #5

Just another day passing by.
Eu não aguento mais de esperar essa semana ir embora. Essa semana cinza.
Tenho coisas que estão reluzindo do outro lado, me esperando calmamente.
Por enquanto, o que acontece?

Essa notícia que saiu no G1 da Globo fez com que tudo desabasse pelos Telecentros fo Centro.
E adivinha só... O Telecentro Santa Cecília que é onde eu trabalhava, foi o alvo principal da notícia. E dessa vez, ninguém pode me culpar de nada!
Ao mesmo tempo que fico feliz por não estar lá, fico triste pelas pessoas que estão. E também ficamos quites por todas as vezes que deixaram transparecer em falas e atitudes que eu não era bom o suficiente pra unidade. Por que se tem uma coisa que eu sei só de olhar pra cara dos sujeitos e sujeitas é quando fazem algo que não devem.
Então, por mais que insistam no zero a zero eu já sei que está um a um.

Além dessa notícia chegar causando nas estruturas de lá, o impacto no dia seguinte já veio pra cá (Jardim São Paulo – Santana). E pra alguma coisa chegar em Santana é sinal de que a coisa tá feia.
Já bloquearam Youtube, Blogspot, Blogger, Bol, Bate Papo e todos os seus derivados (quase todos os proxies também).O que não me deixa mais publicar os textos no blog aqui do meu trabalho. Uma atitude desnecessária e desesperada do ano de eleições. Todos já sabem que não é isso que impede alguém de fazer coisas erradas ou de ver pornografia na web. Quem quer fazer o errado, sempre faz, de um modo ou de outro. E isso é fato, nessa época de Internet é muito difícil conseguir manter o controle do que pode ser visto ou não. Se a pessoa quer, consegue. Agora meu blog está bloqueado pelo desespero de uns e outros.
Mas tudo bem, eu não ligo – eu topo todas.
Vamos ver se eu realmente fico sem acesso.

Sabe o que mais?
Vou ser monitor do Encontro de Jovens de 2008 no São Luis no sábado, enquanto no domingo vou ser Chicleteiro no Estância. Já pensou juntar os dois e fazer o Encontro no Estância?
Err... NOT!

Mas estou ansioso para os dois. Faz tempo que eu não tramo algo com o Colégio e agora como monitor vai ser uma puta experiência diferente. Fora que eu mesmo estou precisando de um tempo na Vila. Não vou ter tempo pra pensar e participar (vou estar a serviço) mas vou estar na Vila com todo o pessoal e isso já basta.

E o Estância... Bem... Já é de casa, já é de festa, tudo igual mas sempre muito ótimo estar junto das pessoas que eu gosto tanto e nos divertindo tanto (como sempre fazendo questão de ver tudo pelo lado mais engraçado).

Tem tantas coisas legais por acontecer que o agora acaba ficando entediante. Não quero falar de trabalho, não quero e não vou falar de eleições (ewww), não quero falar de amores possíveis, de etapas, de objetivos, de vestibulares. Sou um vestibulando transviado por que eu sei que existe algo além disso tudo.

Esse caos unido anda me atrapalhando.
Tenho certeza que a Vila Gonzaga não apareceu por acaso.
Vamos falar de saúde.

Pedro.

x.

23 setembro 2008

he harbours adolescent fears

I won't have a breakdown now.
I won't fall apart now.
I won't, I can't, I don't need to.

I'm leaving the glasses I'm in.
And everytime another one breaks, it hurts.
It bleeds me a little.

But it's just a day.

Pedro.
x

21 setembro 2008

zerando

sábado foi domingo.
o que será de domingo?

(saí com a tia lu a tarde e fiquei em casa a noite. vi um filme tão bonito, aquele lá, o "cinema aspirinas e urubus").

sábado de chuva e nada, deve ser igual ao domingo.
mas é bom por estar com quem se gosta. gostei de estar com quem estava.
eu gosto do sol também.

na verdade dependo dele cada dia mais.
eu não, minha alegria.

(por que dá vontade de sair, por que existe vida inteligente sob o sol, e nada é cinza, são paulo não é uma cidade cinza - ela está - a minha rua é, o centro da cidade pode não ser, mas na maioria das chevas ele se mostra. e nesse sábado cinza estava. só foi legal por que estava com quem queria e gostava)

desde criança eu vou me vendo aqui e ali com essas manias.
esses parênteses cotidianos.

(domingo chove. mas domingo também... ah... nem sou seu fã. e você ainda está acontecendo, pode se redimir.)

eu sou do sol.
eu quero ser sempre lúcido e solar.

Pedro.
x

19 setembro 2008

you bath, you learn

Não é brincadeira. Não é mais uma daquelas listas bestas, essa é verdadeira!
Roubada de um blog que eu gosto muito (www.vestiario.org), tem de tudo um pouco, e conforme for eu certamente vou comentar caso encontre algo assim, err... digamos, desnecessário e facilmente substituível.
Atentem-se e antenem-se por que essa é das boas, liguem o chuveiro e se isola do mundo.
_______________________________________________
101 discos pra ouvir no banho
por Vestiário

Com a ajuda de várias pessoas, Vestiário fez a lista dos 101 Discos para Ouvir no Banho. Tem de tudo! Do Samba ao Rock. Do R&B às contagiantes batidas latinas. Pop, Hip-Hop, Progressivo.

Quisemos ser o mais eclético possível na edição final da lista, e, selecionar apenas 101 dos inúmeros que apareceram não foi tarefa das mais fáceis. Não temos nenhuma pretensão de compilar (pelo menos por agora) os discos que achamos os mais importantes da história da música.

Aos poucos, serão acrescentadas as resenhas de cada um no site; e toda vez que um novo for adicionado, esta lista será atualizada com o link para determinado texto. E, só pra constar, a lista está em ordem alfabética por nome de cantor/banda.

  • 001.Aaliyah: Aaliyah
  • 002.Aerosmith Big Ones: Aerosmith
  • 003.Jagged Little Pill: Alanis Morissette
  • 004.Supposed Former Infatuation Junkie: Alanis Morissette
  • 005.Songs In A Minor: Alicia Keys
  • 006.Back To Black: Amy Winehouse
  • 007.Ana Rita Joana Iracema Carolina: Ana Carolina
  • 008.Songs of Mass Destruction: Annie Lennox
  • 009.Let Go: Avril Lavigne
  • 010.Dangerously in Love: Beyoncé
  • 011.Vespertine: Bjork
  • 012.Strength & Loyalty: Bone Thugs-N-Harmony
  • 013.Trouble: Bonnie Mackee
  • 014. ...Baby one more time: Britney Spears
  • 015.On A Day Like Today: Bryan Adams
  • 016.Cássia Eller - Acústico MTv: Cássia Eller
  • 017.Dez de Dezembro: Cássia Eller
  • 018.O Tempo Não Pára: Cazuza
  • 019.Carioca: Chico Buarque
  • 020. Stripped: Christina Aguilera

  • 21.Back To Basics: Christina Aguilera
  • 022.True Collors: Cindy Lauper
  • 023. Guerreira: Clara Nunes
  • 024.Brasil Mestiço: Clara Nunes
  • 025.X&Y: Coldplay
  • 026.The Central Park Concert: Dave Matthews Band
  • 027.Ziggy Stardust: David Bowie
  • 028.Survivor: Destiny’s Child
  • 029.No Angel: Dido
  • 030. Elis e Tom: Elis Regina e Tom Jobim
  • 031.Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim: Frank Sinatra
  • 032.Appetite For Destruction: Guns N’ Roses
  • 033.Love.Angel.Music.Baby: Gwen Stefani
  • 034.I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama!: Janis Joplin
  • 035.Você não me conhece: Jay Vaquer
  • 036.Jorge Ben Jor - Acústico MTv: Jorge Ben Jor
  • 037.The Soul Sessions: Joss Stone
  • 038.Introducing Joss Stone: Joss Stone
  • 039.FutureSex/LoveSounds: Justin Timberlake
  • 040.Fever: Kylie Minogue
  • 041.The Miseducation Of Lauryn Hill: Lauryn Hill
  • 042.I: Led Zeppelin
  • 043.Alright, Still: Lily Allen
  • 044.Bloco do Eu Sozinho: Los Hermanos
  • 045.Songs: Luther Vandros
  • 046.Confessions On A Dance Floor: Madonna
  • 047. Ray of Light: Madonna
  • 048.The Immaculate Collection: Madonna
  • 049.Marcelo D2 - Acústico MTv: Marcelo D2
  • 050.Meu Samba é Assim: Marcelo D2
  • 051.Maricotinha Ao Vivo: Maria Bethania
  • 052.Samba Meu: Maria Rita
  • 053. Daydream Mariah Carey
  • 054.Butterfly: Mariah Carey
  • 055.The Emancipation Of Mimi: Mariah Carey
  • 056.Mais: Marisa Monte
  • 057.Barulhinho Bom: Marisa Monte
  • 058.Cor de Rosa e Carvão: Marisa Monte
  • 059.Northern Star: Melaine C
  • 060.Yes I Am: Melissa Etheridge
  • 061.Trhiller: Michael Jackson
  • 062.Opinião de Nara: Nara Leão
  • 063.Folklore: Nelly Furtado
  • 064.Fire: Nerina Pallot
  • 065.Nirvana - MTv Unplugged: Nirvana
  • 066.Come With Me: Norah Jones
  • 067.Lado A, Lado B: O Rappa
  • 068.(What’s The Story) Morning Glory?: Oasis
  • 069.Jardim Elétrico: Os Mutantes
  • 070.Ten: Pearl Jam
  • 071.Vs.: Pearl Jam
  • 072.I’m Not Dead: Pink
  • 073.The Darkside Of The Moon: Pink Floyd
  • 074.The Wall: Pink Floyd
  • 075.Live At Wembley: Queen
  • 076.Californication: Red Hot Chili Peppers
  • 077.Begin To Hope: Regina Spektor
  • 078.Reveal: REM
  • 079.Good Girl Gone Bad: Rihanna
  • 080.Exile on Main St.: Rolling Stones

  • 081.Miss You: Rolling Stones
  • 082.Crash! Boom! Bang!: Roxette
  • 083.Acoustica: Scorpions
  • 084.Timeless: Sérgio Mendes
  • 085.Shakira - MTv Unplugged: Shakira
  • 086.Laundry Service: Shakira
  • 087.Sheryl Crow: Sheryl Crow
  • 088.Spice: Spice Girls
  • 089.Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band: The Beatles
  • 090.Help!: The Beatles
  • 091.Elephunk: The Black Eyed Peas
  • 092.The Corrs - MTv Unplugged: The Corrs
  • 093.Morrison Hotel: The Doors
  • 094.Is This It?: The Strokes
  • 095.Titãs - Acústico MTv: Titãs
  • 096.Antônio Brasileiro: Tom Jobim
  • 097.Ou Panis Et Circenses: Tropicália
  • 098.How To Dismantle An Atomic Bomb: U2
  • 099.The Joshua Tree: U2
  • 100.Cruel Intentions Soundtrack: Vários
  • 101.O Grande Encontro: Vários

Vestiário 101 discos pra escutar no banho.
________________________________________________
Desses 101, eu não ouvi 12.

008.Songs of Mass Destruction: Annie Lennox
012.Strength & Loyalty: Bone Thugs-N-Harmony
013.
Trouble: Bonnie Mackee
026.The Central Park Concert: Dave Matthews Band
034.I Got Dem Ol’ Kozmic Blues Again Mama!: Janis Joplin
042.I: Led Zeppelin
045.Songs: Luther Vandros
060.Yes I Am: Melissa Etheridge
064.Fire: Nerina Pallot
071.Vs.: Pearl Jam
077.Begin To Hope: Regina Spektor
081.
Miss You: Rolling Stones


Que certamente procurarei conhecer.
_________________________________________

Também desses 101, discordo de alguns... 7

004.Supposed Former Infatuation Junkie: Alanis Morissette
trocaria por: "Unplugged Mtv da própria Alanis"

025.X&Y: Coldplay
trocaria por: "A rush of blood to the head" do Coldplay

033.
Love.Angel.Music.Baby: Gwen Stefani
trocaria por: "The return of saturn" do No Doubt

042.I: Led Zeppelin
trocaria por: "Era Vulgaris", o novo do Queens of the Stone Age.
(aliás, por favor, vamos começar a excluir o Led Zeppelin dessas listas? Eles são sempre os primeiros que eu substituo)

069.Jardim Elétrico: Os Mutantes
Acho que "A divina comédia" cairia melhor. Arrisco até dizer que o Mutantes ao vivo (esse com a Zélia Duncan) está no páreo.

072.I’m Not Dead: Pink
trocaria por: "Try this", da própria Pink (na época, P!nk)

100.Cruel Intentions Soundtrack: Vários
não que não seja boa. Eu fui atrás pra ver o track list e é realmente boa, mas vou deixar aqui como um parênteses pra outras duas trilhas tão boas quanto: "10 thing I hate about you" e o The O.C mix 1.

E até que eu não fui tão radical nas mudanças.
____________________________________________________________

O que realmente faltou.
Isso vai do gosto, vou tentar me limitar a 15.
  1. Chico Buarque - As cidades ao vivo
  2. Caetano Veloso - Livro
  3. Caetano Veloso - Prenda Minha/ Noites do Norte ao vivo/ Circuladô vivo, dependendo da vibe do banho
  4. Roberta Sá - Braseiro
  5. Lulu Santos - Acústico Mtv
  6. Moska - Tudo novo de novo
  7. Gilberto Gil - Unplugged Mtv
  8. Gal Costa - O sorriso do gato de Alice
  9. The Hives - Tyrannosaurus Hives
  10. Stevie Wonder - Songs in the key of life
  11. Prince - Purple Rain
  12. Chiclete com banana - Para ti
  13. Daniela Mercury - Elétrica ao vivo
  14. Luciana Souza - North and South
  15. Joyce - Ilha Brasil
Todos recomendadíssimos para desde simples duchas até longos banhos de banheira.
___________________________________________________

Fazer listas é um vício terrível (eu ia postar essa lista apenas de brincadeira e agora eu percebi que já fiz mais 3 listas apenas para julgar e alterar a lista principal), avaliar listas então, é pior ainda.

Eu lembro de comprar a revista da Mtv e ler cada lista mais absurda que a outra. Chegou num ponto que eu tinha certeza que aquelas pessoas não entendiam absolutamente NADA de música além daquela que toca na emissora (não precisamos comentar a qualidade da canção que toca na Mtv, precisamos?).
Era triste mas às vezes parecia cômico (mentira, era só triste) . As mais ridículas (e eu lembro disso até hoje) foram as dos 100 discos mais importantes e dos 100 artistas mais importantes da MPB. O Lobão estava nessa segunda lista. Depois dessa dava pra fechar a revista, né Brasil? Aproveita e fecha a emissora (filial e matriz, por favor).
Mas aí chegou a Rolling Stone pra nos salvar!
Também fizeram uma listinha. Razoavelmente melhor, aliás. Mas o mais importante é que pararam de subestimar a minha inteligência.

(...)

Do que eu estava falando mesmo?

Pedro.
x

17 setembro 2008

ya'll know I gots to migrate

Prólogo:
Once again nothin' jumpin' up in your place/ Sick of your berry buzzin' all in my face/ Way too much to tolerate/ Time to roll, y'all know I gots to migrate./ Speed dial connecting me to Rae Rae "Hey"
Click in Shawnte and Mae Mae/ "Treat it as a holiday"/ Cause he's a wrap/ Y'all know I had to migrate.

Sexta foi massa.
Esse post era pra ser o post de sábado, mas eu estava tão baleado de sexta... E ainda tive que dar aula no Telecentro (e sábado as ulas duram 4 horas!) então não ia dar certo.
É um texto pra falar de sexta, os inesperados "bons" que acontecem.

Foi assim... Terça feira (09/Set) meus pais foram pra Ubatuba (Ubachuvaaaaa! há!) e eu fiquei em casa, minha vó ficou por lá também, mas é tranquilo e eu quase não fico em casa mesmo... Acabou virando um descanso para todos. Passou terça, quarta, quinta e tudo normal. Chegou sexta e os olhos já amanheceram acesos como faróis. Tinha chamado (com todas as licenças) alguns amigos pra virem pra cá, no plano original eram: Thay, Fê, Helena e Gui - talvez - Rudy e Yasmin (sonha, Alice!). Mas sabe como são essas coisas (e essas pessoas...), né? Cheios de mi-mi-mi acabaram cancelando no dia.

obs: o problema não é cancelar, mas cncelar no dia! Odeio quem diz as coisas e só cancela no dia. Quando eu sei que não vou fazer algo eu digo: "olha, seria legal fazer tal coisa, mas eu não vou". Pronto! O que as pessoas criam no dia do acontecimento pra mim é um enigma. A minha amiga Helena (descobri isso recentemente) é a rainha desse desistir no dia.

Mas o Gui ficou. E a Amália me ligou, e eu liguei de volta e a gente ficou se desencontrando pelo telefone até que a Pam fez a gente se encontrar, e por fim combinamos e ela me disse que iria também. Então ficamos 3.

O que era algo pra terminar às 10, foi pra meia noite, foi pra uma da manhã, foi pras 3. É que a gente é muito engraçado junto, algum dia ainda mostro. É tanta coisa séria/não-séria-debochada/real que é dita e tida com eles que eu fico perdido. Me lembro que foi bom. Tinha cerveja e ninguém ia dirigir. Tinha bastante cerveja e todo mundo mora perto. E batata frita congelada!

E ficamos migrando de assunto, de lugares na casa, de música. We had to migrate.
Chega essa parte do ano e eu acho que só com essas pessoas (e algumas outras) eu posso ficar junto por que entendem de tudo o que é confusão no mundo do vestibular, do trabalho, do morrer de sono...
Essas pessoas que entendem, que fazem entender, que incutem, que discutem, que completam.
Saudades do Rudy.

We need reflection a little more often.

Pedro.
x

16 setembro 2008

what a lovely way to burn

Tava assistindo uns seriados à noite, noite fria, dia frio, a cor cinza, tudo chato.
Tudo SSDD (Same Shit Diferent Day). Daí que chegou a noite e eu esgotado Fui deitar um pouco, hibernar, acumular (mais) gordura de batata, de pão, de manteiga; era a chance de ver uns seriados que eu tinha comprado e nunca tinha tido tempo pra assistir. O corpo foi amolecendo, os ossos foram descalcificando, a cama afundando e o colchão foi me engolindo... WOW! Isso é que é vida.
Aqueles calafrios de não saber se é calor, se é frio, se tem que ficar de edredon ou se liga o ventilador.

Passei a noite inteira queimando de febre.

Existe o bom de dormir com febre: os delírios. Tive sonhos tão reais... Sonhei que estava na Vila Manresa (Itaicí) e estava sozinho no meu espaço de reflexão cantando canções com um violão.
Eu sinto muita falta de Itaicí, passei por muita coisa lá. No sonho, lembro de ter cantado "A noite sonhei contigo" e "Pane de Maravilha" da Paula Toller (curiosamente, um disco que eu ouvi pouco), "Night and day" do Cole Porter (essa eu me lembro como se fosse real mesmo) e eu cantava bem bonito essa, ficava pensando na voz que estava boa.

Mas o mais interessante foi que foi a primeira vez que eu sonhei com uma música!
Era só um trecho, e eu ficava repetindo ele. Daí eu acordei e anotei. Era uma música pra minha irmã, e funcionava que nem uma versão pra Saudosismo, mas com outro ritmo, outro assunto. Falando de carnaval, de trio elétrico e com um toque bossa-nova.

"Eu, você, nós dois, Atrás do Nana, do Cama, Iguais a qualquer um
Essa sua invenção (ou era distração, não lembro)
No Crocodilo, sem grilo à vida sem vazão"
Era isso.
O Nana, o Cama e o Crocodilo são blocos de Carnaval, lógico. Nana Banana e Camaleão são do Chiclete com Banana e o Crocodilo é da Daniela Mercury.
Essas coisas me assustam. Sempre ouvi falar de pessoas que sonham com canções e melodias bonitas que surgem em sonhos. Mas nunca pensei que fosse acontecer.
Acordei, meio que pulando da cama atrás de uma caneta pra escrever e escrevi. Mas esqueci uma palavra, essa que não sei se é "invenção" ou "distração". Mas uma delícia de música, lembra o começo de "Os dois" que lembra Saudosismo.

Depois veio outro.
Era eu de novo, com a Amália porta da casa dela. E a Jéssica e a Déia conversavam do lado de dentro (era engraçado por que a Déia tava muito "garotinha" no sonho, inclusive de cabelo liso). E eu tinha que ir trabalhar e estava muito atrasado pro trabalho. Conversávamos sobre sair a noite, sobre sairmos juntos e tals. Depois eu saí correndo por que eu tava muito atrasado e fui voando pela Brigadeiro. Só que... Por engano de percurso fui parar na Faria Lima.

Daí acordei. Fever in. Noventa graus.

Acordei wanting, needing, waiting, yearning, burnning,
for you to justify my love.

Pedro.
x

14 setembro 2008

lindonéia: domingo, segunda-feira

(música de fundo - Lindonéia)

Amanda:
- Quem está cantando? É a gata?

Pedro:
- É sim, é a gata.

Amanda:
- Dá pra reconhecer, né?



Pedro.
x

11 setembro 2008

a novidade era o máximo

A novidade são os Higgs.
Queremos notícia mais séria sobre a descoberta da anti-matéria e suas implicações. É isso mesmo.

Eu tenho um amigo matemático e muito por dentro desse mundo da física, um intelectual. Brasileiro, morando no Canadá estava tentando me explicar tudo com um pouco menos de técnica e mais teórica. Mas não existe esse assunto sem técnica. E eu fiquei tentando entender aquela coisa toda, aqueles nomes...

"Responder, todo o mistério da vida pra que?
De onde vem essa força, por que?Se o importante é viver!"
A vida pro Bel deve ser muito mais simples do que para nós, reles mortais querendo saber se o mundo pode acabar com um experimento. O grande colisor de Hádrons. Lógico, que quando ouço essas coisas eu quero mais é ver o circo pegar fogo mesmo, mas o moço já disse que para abrir um buraco negro do tamanho de um alfinete, seria necessário um colisor do tamanho do sistema solar. Legal, né?
Na Wikipedia já tem artigos sobre Higgs e sobre o Colisor, e eu recomendo. Por que não dá pra sair falando sobre o lance e não saber o que é - o que não é - o que pode ser.

Eu tinha outra novidade, mas atrasei tanto o post, que me esqueci.

Pedro.
x

10 setembro 2008

as coisas não precisam de você

ou Confessional

Esse verso é muito estranho, tava pensando nele agora.
Virgem fez muito sucesso, é uma música conhecida e tals. Mas ainda é emblemática.
Eu ouço, ouço e de repente ela faz um sentido imenso.

Começando pelo título - Virgem. Adoro títulos que não estão presentes na música.
Mas queria me concentrar nesse verso "as coisas não precisam de você"
Quanta crueldade tem aí, quanto cinismo há nesse verso.
Mas ao mesmo tempo é um pedido de socorro - "Quem disse que eu tinha que precisar?" - entrega que a pessoa está em fase de se conformar de que não pode precisar da outra (por não ter mais).

São dois lados.
Eu já estive nessa frase. É sempre com aquela pessoa que eu tenho que dizer:
"as coisas não precisam de você". Meio que me conformando, meio que expulsando ela da minha vida.

Já aconteceu?

Diga você

Pedro.
x

08 setembro 2008

a thousand good reasons

Nuno,

Por que essa melodia não me sai da cabeça?
(sobre "A thousand good reasons" ou "Mil bons motivos")

Não sei.
Mas existe uma letra pra ela melhor do que as duas que eu já fiz. Tá na minha cabeça.
Fiquei pensando em fazer uma letra romântica mas eu ia deixar de te/me surpreender.
Então não quis mais os rascunhos românticos que até então estavam me seguindo (desde o tempo que vc me mandou a música). Agora penso em algo romântico destruidor.
Algo mais agressivo. Ou no mínimo passive-agressive.
Algo cru.
Confessional se for o caso.

Entende?
Queria te passar um feed-back.

Pra vc não achar que eu me esqueci.
Eu não esqueceria.

Abraço,

Pedro.
x

05 setembro 2008

tarado ni você

Eu nunca fui do tipo tarado. Gosto das provocações, gosto de sexo em si, mas na vida levo tudo na mansidão. Talvez por que nunca tenha tido que esperar muito pra transar, foi tudo num tempo muito certo: a garota certa, o tempo certo, o aprendizado... Nunca tive rolos com educação sexual ou com tesão ou com libido (apesar de detestar essa última palavra) ou com qualquer outra dessas palavras. Conheci cada um desses sentidos antes de saber que eles tem nome e se revezam por partes do corpo.
Sexo também é algo central no meu núcleo de assuntos, de interesses. Achei genial o que o Caetano disse em entrevista a Rolling Stone: "o sexo, para que seja, basta que aconteça". Mas isso não é genial?
Sou contra a mistificação que as pessoas colocam no sexo. E o considero um assunto tão vital quanto o ato em si. Mas no meu tempo - e manso.
Nunca fui muito teenager no sentido de ter que trepar com todo mundo. Como já disse, nunca fui tarado.

E foi uma canção do Caetano que me trouxe pro assunto.
Chama-se "Tarado". É nova, simples e curta. E esses dias eu estava pensando nela.
A letra é assim:

tarado tarado tarado tarado
tarado tarado tarado ni você
tarado ni você

ni mim
no carnaval
ni tudo
ni todo mundo nu

E na primeira vez que ouvi eu fiquei doido com letra.
Fiquei pensando nela durante uns dois dias. Ouvia, curtia mais.
Quando caiu a idéia, mandei como testimonial para a Amália. Essa música era quase uma textualização das nossas noites.

Eu sou tarado pela Amália.

E quando ele fala "ni você" retrata bem isso. Por que é uma sensação que a gente quase não consegue falar, e quando fala, fala errado, fala instintivamente, perde letras, quer agir. É brutal, aimalesco, certeiro.

E a segunda parte da música pra mim tem um sentido mais amplo. Só ela saberia explicar, por que tem as palavras, eu não sei.
Outra noite, lá pelas tantas, estávamos na buatchy (rs), e o lugar estava pegando fogo. Nós estávamos pegando fogo e todo mundo também. Fomos pra pista de cima e víamos as pessoas em uma espécie de transe. Não era um grupo apenas, mas todos que estavam na pista, numa espécie de êxtase coletivo.
Não sei se aquelas pessoas usam drogas ou não (eu não uso drogas), ou o que fazem pra entrar naquele nível de inconsciênscia, mas aquilo me atraiu e pareceu muito honesto.
Fiquei tarado "ni mim, ni você, ni tudo". Mas não necessariamente no sentido exato da palavra: queria pular lá de cima pro piso de baixo, queria abraçar todas aquelas pessoas, queria estar próximo delas,
incorporar aquilo tudo.
Eu sou muito tímido, não tenho coragem de dizer essas coisas que eu vejo pras pessoas, mas acho um
ponto de vista interessante. Queria que tudo aquilo parasse, tudo em slow motion.
Ney Matogrosso numa entrevista recente disse o seguinte:
" Antigamente eu tinha desejo sexual pela plateia, eu queria trepar com aquela gente toda. Eu olhava e pensava: Quero! Quero! Trepar com essa gente toda! "
Essa é outra visão. De quem se entrega sozinho a todas as pessoas, diferente de quem está no andr de cima vendo as pessoas se entregarem. Reparei que ele quis dizer pro meu texto que ele é aquela multidão em chamas.

Chamar isso de "entrega" certamente irritaria qualquer pessoa que já fez um retiro espiritual inaciano. Quem sabe não irrite alguém que acredita no Dai-me. Mas existe uma entrega ali muito semelhante ao que se vê em alguns ritos religiosos em alguns momentos. É divertido perceber essas coisas.
Sou tarado por ela por que ela me leva, pro que ela fala as coisas que fala e entende o mesmo.
Por que ela é toda. E sabe das coisas pra caralho.

Mas tarado naõ sou, não.

Pedro.
x

04 setembro 2008

a dúzia, o maço, um bocado, um pedaço e um buquê

Quem quer, sabe o que fazer pra conseguir. Ainda mais quando há exemplos.
E eu acompanhei passo a passo a compra dos bilhetes pro show da Madonna no Rio, já sabia como era o esquema (internet não ia dar bug, taxas eram altas, call center nunca atende, cartão da erro e débitos são gerados sem a certeza do ingresso). Pensei no show do João Gilberto que eu não consegui ir e no Roberto e Caetano que eu quase não vou também. Se esses dois shows de artistas brasileiros com 3 mil ingressos foi caótico, imagina 150 mil ingressos pra Madonna?
Não ia rolar mesmo e eu sabia que não ia. Fiquei pensando nisso quando eu cheguei em casa. Daí fui ficando ansioso, ficando nervoso... Odeio isso, ficar imóvel ou ansioso por antecedência. Sabia que eu ia ficar irritado com as pessoas que conseguissem e comigo mesmo. Mas ficaria bravo de qualquer forma, se fizesse o que tinha em mente também me irritaria com as pessoas que conseguissem comprar pela net. Pensei na grana... Nas taxas... Na diversão...

Então eu fui pra FILA.

Eu acho que minha irmã vai matar o próximo internacional que inventar de pisar em solo brasileiro.
Ela não consegue mais. Primeiro foi o Drexler fazendo show de quinta-feira, agora Madonna querendo vender ingressos na madrugada de quarta... Tudo conspira contra os fins de semana e contra os horários e rotinas de gente normal, fica parecendo um teste. Nunca vi tanta burocracia.
Mas ela estava lá, na net à meia noite. Enquanto eu estava lá na fila do Credicard Hall, morrendo de frio com mais 300 pessoas (que mais trde se tornaram 500 e depois 800) pra ver a tia.

Ficava pensando, vendo se valia mesmo a pena, se eu gostava tanto dela pra chegar a tal ponto.
Cheguei a conclusão que não. Não sou esse tipo de fã que dorme na fila. O que mais me corrói é fazer parte do acontecimento, essa catarse que vai leva tanta gente ao Morumbi nos dois dias e por ser uma artista que eu gosto bastante, lógico. Mas repensei o título de fã depois disso. Não acho que seja o meu caso, gosto muito de Madonna mas sempre me achei um pouco admirador distante. Um pouco como alguém que sente mais necessidade de entender aquilo do que gosta daquilo. A imagem, o show, o disco, a mídia, o video... É preciso entender Madonna pra entender de mídia, de psicologia, pra entender os 80, os 90 e até 2000. Preciso entender como as coisas aconteceram e repentinamente, Madonna parece um cartão de visitas, as ramificações pra outras culturas é muito rápida quando se trata dela. Um paralelo justo seria com Caetano. Se Caetano fosse loira e americana ou se Madonna fosse homem e soubesse falar, eles certamente trocariam de papéis.

Não faria isso por mais ninguém, a não ser que fosse uma fila divertida. Gosto de farra também, mas as pessoas lá estavam sérias.

"Talvez pelas Spice Girls", pensei e comecei a rir imediatamente. Essas e outras eu ia pensando e gargalhando. Enrolado num edredon com duas funções: de cobertor e de sleeping bag. Passei a noite entre dormir e acordar, de hora em hora. A Globo passou, a Record passou, a MTV passou, o SBT passou, a Rede TV... Eu num sono profuuuundo... Nem tchum pra eles.

A fila estava organizada. O Paulinho (um jornalista-fã - esse era fã mesmo) estava dormindo em uma barraca lá desde sexta feira e começou a organizar a fila, uma vez que não havia ninguém profissional fazendo isso. E enquanto ele estava no controle, tudo corria bem. Uma hora antes de abrirem os portões surgiu uma máfia de 150 cambistas fazendo ameaças e agressões a quem estava na primeira metade da fila. A polícia como sempre fez aquele não fez nada, mal apareceu. Na verdade nem apareceu. A organização do show também não fez nada. Ou seja, desrespeito é pouco.
Na abertura dos portões os cambistas esgotaram as pistas VIP. E o prórpio Paulinho teve que comprar pista normal, mesmo sendo o primeiro da fila oficial.

Entre mortos e feridos, fila é fila, não tem jeito é chato mesmo. As informações vazavam de quem estava na frente pra quem estava atrás pelo pessoal do meio. Daí ficamos sabendo do fim dos ingressos vips. Mais trde disseram que tinha acabado pra pista meia entrada. Aí me broxou mesmo. Mas eu fiz o louco e consegui pista meia entrada. E segurei a fila por dois minutos. Fiquei pensando... (Meu raciocínio estava absurdamente lento a essa altura do campeonato) Se eu ia pagar uma interia, por que não posso pagar duas?
- Não é possível comprar duas meias, senhor.
Era aquela mesma voz bandida dos call centers e telemarketings da vida.

- Tá bom, tudo bem.

- No caso só se o senhor quiser pro outro dia de show.

Daí veio uma daquelas horas em que a gente para de pensar e responde.

- Sim.

Ainda não acredito que vou nos dois dias de show. Nem acredito por que só vai acontecer em Dezembro. Sei que vou ver o Chiclete com Banana dia 27 (essa sim, uma experiência coletiva em que não há muito o que se analisar, é apenas diversão, coisas boas e lembranças engraçadas).
Não acredito mesmo.
Mas até que se prove o contrário eu vou.

Pedro.
x

02 setembro 2008

garotos fazem tudo igual

ou, Garotos que dizem "se..."

Garotos são mais dos mesmos; continuam os mesmos, eu quis dizer.
Não sei como especificar que tipo de garoto eu estou falando. Lógico, existem muitos tipos, mas eu estou próximo daquele tradicional, aquele de That's 70's show como o Eric Forman (personagem principal). Cada época tem muitos Erics e todos são bem variados.
Esse "Garoto que diz Ni" já esteve em todas elas mas nem sempre entendeu bem seu papel.

Não estou nem falando de estereótipo ainda, apenas da figura do garoto da sua época com traços dessa época (sem especificar o emo, o nerd, o indie, o baladeiro, o yuppie, o hippie, o intelectual, o rocker, o mala...). Cada caso é um caso. Mas em alguns deles, os garotos que dizem "se" já começam a se manifestar. Sem dramas, sem muito sentimentalismo e sem novela, o garoto que diz "se" passou da fase da educação sentimental, do nervosismo inicial. Pode ser que estejam (alguns, como eu já disse, existem casos e casos) realmente se tornando algo além do óbvio.

(Ou minhas observações e pré-determinações sobre alguns deles estouraram na minha cara e fui surpreendido ou se pode ser algo comportamental - coisas da observação!).
Mas o fato é que meninos - emos ou não - também se apaixonam e também sentem ciúmes e raiva, também conversam sobre relacionamentos além do básico: "transei ontem foi muito foda!", e sabem também fazer drama sobre isso.
Fiquei surpreso mesmo.

Enquanto isso, os Jonas Brothers tem um anel de castidade só pra depois do casamento. Mas não é nada disso que eu estou falando. Inclusive uma amiga minha veio me falar desses Jonas Brothres esses dias e eu fiquei sem acreditar muito. Depois joguei no Google e tudo o que ela tinha me dito era verdade, comento mais depois. Mas aquilo é bem América...

Voltando ao garoto que diz "se"... O nome veio daquele blog que foi um pouco de sensação agora no começo da década: Garotas que dizem "ni" (que por sua vez, tiraram do filme "Em busca do cálice sagrado" do Monty Python esses personagens que se chamavam Cavaleiros que dizem ni). Elas tem até uma coluna na revista Época da Globo. As meninas cresceram.

Será que os meninos também?

Dizem que de tempos em tempos a humanidade da um salto. Quem sabe dessa vez não foi um salto no escuro do GQD"se....".

Pedro.
x